Durante audiência, Consórcio Vianova anunciou novidades para o mês de setembro

Audiência Pública

Divulgação / Câmara de Vereadores

Na manhã de sábado, 25 de agosto, a Câmara de Vereadores de Nova Santa Rita promoveu audiência pública para discutir a situação do transporte municipal e metropolitano. Aberta ao público, a audiência não teve a adesão esperada pelos vereadores – menos de dez representantes da comunidade estiveram presentes, o que não foi impedimento para que demandas da comunidade fossem apresentadas pelos vereadores aos representantes das empresas que atuam no transporte público.

Inicialmente, os representantes da comunidade puderam expor suas demandas. Foram apontadas a falta de horários para a Estrada do Marcolino, na Sanga Funda, ao final da tarde, e a necessidade de maiores ofertas de horários entre os bairros Berto Círio e Morretes. O secretário de Indústria e Comércio, Rodrigo Battistella, um dos mais atuantes na questão do transporte público municipal, comprometeu-se a encaminhar os ajustes juntamente com a empresa Cidade Nova Santa Rita, para atender as demandas apresentadas.

O ouvidor da Prefeitura Municipal, Júlio Cézar Fraga, enalteceu o trabalho de ajustes da operação nos primeiros 15 dias do transporte municipal, período tido como complicado dadas as diversas demandas e necessidades. Feitos os primeiros ajustes, as reclamações direcionadas à Ouvidoria reduziram significativamente.

O secretário Rodrigo Battistella deu ênfase ao trabalho realizado pela Fundação La Salle de conceber o sistema municipal de transporte, que é emergencial por seis meses prorrogáveis e, após os devidos ajustes, dará os rumos para a licitação, que deve ser realizada para um período de dez anos. Segundo Battistella, atualmente a média de usuários do transporte municipal é de 2800 passageiros/dia, número próximo daquele apontado pelo estudo da Fundação La Salle, que previa entre 2500 e 3000 passageiros/dia.

O secretário de Transportes e Serviços Públicos, Revilino Fornazzeri, destacou a preocupação inicial com os ajustes dos horários e itinerários a partir das demandas de estudantes e trabalhadores do município, e também com a viabilidade econômica da operação, fundamental para que os serviços prestados pela empresa sejam mantidos. Fornazzeri antecipou que deverá ocorrer a suspensão de alguns horários intermediários e ajustes na grade horária vigente até a primeira semana de setembro.

O gerente operacional do Consórcio Vianova, Rogério Moraes, informou que ocorreu uma reestruturação societária na composição do consórcio, não detalhada naquele momento, que permitirá a adoção de melhorias para o transporte metropolitano, algumas delas antecipadas pelo NSR Notícias na semana passada. Em consulta realizada pelo NSR Notícias à base de dados da Receita Federal, constata-se que a Viação Montenegro não integra mais o consórcio, sendo substituída pela Viação Canoense (Vicasa), do mesmo grupo econômico da outra consorciada, a Sociedade de Ônibus Gaúcha (Sogal).

A partir de 6 de setembro, serão incorporados à frota metropolitana sete veículos com ar condicionado, elevador para portadores de necessidades especiais, internet sem fio embarcada e desembarque central. Toda a frota do Consórcio Vianova terá somente uma roleta a partir do dia 6, e o sistema de bilhetagem será substituído, passando a ser adotado o cartão Teu, a exemplo do transporte municipal. Antes, no dia 3 de setembro, será inaugurada a loja oficial de recarga e confecção do cartão Teu em Nova Santa Rita, na Avenida Santa Rita, no Centro. De acordo com Moraes, atualmente 6000 passageiros/dia utilizam as linhas metropolitanas para Canoas e Porto Alegre.

Já o representante da empresa Cidade Nova Santa Rita, Nei Prates, respondeu a um questionamento feito pelo presidente da Associação de Moradores do Itapuí, de que a empresa não teria cumprido promessa feita no início de sua operação, de contratar mão-de-obra 100% local. De acordo com Prates, todos os funcionários da empresa, no momento do ingresso no quadro de funcionários, comprovaram endereço em Nova Santa Rita.

No encerramento da audiência, a presidente da Câmara, vereadora Professora Ieda Maria Bilhalva, relembrou o amplo debate político envolvendo a temática do transporte municipal, em discussão há dois anos na Casa, e lamentou a baixa presença da população, porém, destacou que as demandas da população foram encaminhadas através de seus representantes, os vereadores.

Estiveram presentes ainda os vereadores Alex Ávila – autor do requerimento que solicitou a Audiência Pública, Jair do LotPop, Renato Machado e Rodrigo Pedal. Apesar de reiterados convites, a Metroplan, responsável pela gestão do transporte metropolitano, não enviou representante.